Saiba como fazer um inventário extrajudicial em cartório

inventário extrajudicial, Saiba como fazer um inventário extrajudicial em cartório

Quem conhece o inventário extrajudicial sabe o quanto é vantajoso com relação à via judicial. Seus custos são menores, a velocidade do andamento do processo é muito mais rápida e a burocracia é menor.

Contudo, quando é possível seguir por essa via e quando não é? Quais são os custos envolvidos? E qual o passo a passo para fazê-lo? Siga lendo para ver tudo sobre isso!

O que é um inventário extrajudicial?

Antes de mais nada, você sabe o que significa ser um cartório extrajudicial? Bom, para começar, é preciso entender o que é um inventário de forma geral.

Por isso, saiba que um inventário é algo que fazemos com a finalidade de apurar os bens, direitos e dívidas os quais foram deixados por alguém que veio a falecer. Provavelmente você já sabia disso, certo?

Então, essa espécie de levantamento tem seu próprio processo burocrático de ser feito. Ele, por exemplo, desconta os valores das dívidas as quais a pessoa falecida deixou, algo que você deve sempre levar em consideração.

Dessa forma, o resultado é algo que chamamos de herança líquida. Sendo assim, é somente após ela que podemos prosseguir com a partilha de bens que serão entregues aos herdeiros e outras pessoas que possam ter direito.

Agora, entrando no termo inventário extrajudicial, há muita confusão em função da relativa novidade do tema. Isso porque, até 2007, a única forma de realizar todo esse procedimento de inventário era pela via judicial. Ou seja, não existia outra maneira.

No entanto, a Lei Nº 11.441, de 4 de janeiro de 2007, veio para mudar essa situação. Desse modo, ela alterou alguns dispositivos pertencentes ao Código de Processo Civil, e possibilitou a “realização de inventário, partilha, separação consensual e divórcio consensual por via administrativa”, como se propõe.

Isso acaba tendo um potencial benéfico para todas as partes envolvidas. Primeiramente, quem acabou de perder um ente querido dificilmente quer a judicialização de uma questão. Em vez disso, quer que se resolva o quanto antes.

Leia mais:  Saiba o que é Prescrição Penal

De modo complementar, a via judicial tende a ser algo mais demorado e complexo, que também onera o sistema judicial. Portanto, esta pode ser uma alternativa mais atraente em todos os sentidos.

Documentos necessários no inventário extrajudicial?

inventário extrajudicial, Saiba como fazer um inventário extrajudicial em cartório

Como resultado, agora é possível realizar todo esse processo de inventário extrajudicial por meio de um cartório, como veremos a partir de agora, já que desde 2007 a via judicial não é mais a única alternativa.

Antes de qualquer outra coisa, para fazer um inventário extrajudicial em cartório você vai precisar separar alguns documentos relativos à pessoa que faleceu. Dessa forma, eles podem variar de acordo com a natureza da relação. Veja:

  • Certidão de casamento ou nascimento (do falecido);
  • Certidão de inexistência de dependentes vinculados à pensão por morte (do falecido);
  • Certidão de inexistência de testamento (do falecido);
  • Certidão de óbito/ sentença de declaração de ausência (do falecido);
  • Certidão negativa conjunta de débitos da União (do falecido);
  • Certidão negativa de débitos trabalhista (do falecido);
  • Comprovante de endereço (do falecido);
  • RG e CPF (do falecido e dos herdeiros);
  • Certidão de casamento ou de união estável (para cônjuges/companheiros e para herdeiros);
  • Certidão de nascimento ou certidão de casamento (para herdeiros);
  • Sentença declaratória de filiação (para herdeiros);

Em caso de imóveis, ainda, é necessário ter uma certidão de matrícula atualizada, uma certidão de valor venal e uma certidão negativa de débitos imobiliários. De forma complementar, para automóveis, é requerido o CRLV e a Tabela Fipe. Além disso, lembre-se também de levar os seus documentos (RG e CPF).

Passo a passo do inventário extrajudicial

Agora que você já juntou os documentos, saiba que existe um passo a passo básico para o inventário extrajudicial. Isso vai facilitar bastante a condição dos herdeiros e irá garantir que as coisas têm mais chance de sucesso.

Leia mais:  Novo CPC - Tudo o que você precisa saber

Primeiramente, é preciso ir atrás de um bom advogado, que é quem irá analisar o seu caso para verificar se é possível e necessário o inventário extrajudicial. Então, entregue a ele a documentação da seção anterior e confira se está tudo certo.

Em seguida, o advogado deverá declarar e pagar o Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doações (ITCMD), que é estadual e é requerido para iniciar a autorização da partilha de bens. Inclusive, isso pode ser feito a partir da Secretaria da Fazenda de cada ente federativo.

O próximo passo também fica a cargo do advogado. Então, ele irá lavrar uma minuta de partilha. Nela, irão constar os bens e direitos que o falecido possuía, bem como as dívidas, e a partilha dos herdeiros terá início.

Por fim, a quarta e última etapa é da realização de um pedido do inventário extrajudicial, também por responsabilidade do advogado. Isso será feito diretamente no cartório, e passará pelo tabelião, que irá conferir se está tudo certo nas etapas anteriores.

A partir disso, basta seguir acompanhando através do advogado. Em geral, também é nomeado um inventariante, que costuma ser algum parente próximo do falecido e que deverá representar o espólio deixado.

Quando e onde fazer um inventário extrajudicial?

inventário extrajudicial, Saiba como fazer um inventário extrajudicial em cartório

Até aqui, tudo muito simples, não é verdade? No entanto, quando o inventário extrajudicial pode ser feito? Será que ele é permitido em qualquer situação ou existem requisitos especiais?

Na primeira seção, já citamos a lei que alterou o CPC a respeito do tema. Dessa forma, em seu artigo 610, são dados os requisitos para o inventário em cartório:

  • Não pode haver herdeiro incapaz ou que seja menor de idade (exceto se for emancipado);
  • Se houver testamento, somente é permitida a via judicial, a não ser que ele seja revogado;
  • Os herdeiros devem ter consenso em relação à partilha de bens;
  • Caso haja algum bem no exterior, então somente a via judicial é permitida;
  • É obrigatória a presença de um ou mais advogados que acompanhem o processo extrajudicial (podendo ser um para todos os herdeiros ou um para cada, por exemplo).

Portanto, caso estes requisitos sejam cumpridos, é só seguir em frente com o passo a passo citado anteriormente. E, na verdade, isso é muito fácil: basta ir a um cartório de notas em qualquer localidade.

Qual o custo e o prazo?

Duas últimas dúvidas também são comuns quando falamos no inventário extrajudicial: custo e prazo envolvidos. Infelizmente, porém, é impossível dar com precisão um tempo e um valor certo para isso.

Primeiramente, quanto aos custos, tudo depende de uma série de questões. Ou seja, envolve o pagamento dos honorários advocatícios, do imposto ITCMD, dos custos do cartório, etc.

Já, em relação ao prazo, é muito mais rápido do que pela via judicial. Assim sendo, a Escritura Pública do Inventário já deverá estar em posse do advogado em cerca de 30 dias após dar a entrada na documentação.

Aliás, falando sobre a Escritura Pública do Inventário, saiba que esse é o documento que é obtido após a conclusão do processo. Então, com ele em posse, os herdeiros poderão finalmente transferir os bens e os direitos do falecido para si. Para isso, basta apresentar no Cartório de Registro de Imóveis (para imóveis), no Detran (para veículos), na agência bancária (para dinheiro) e assim por diante.

Em suma, o inventário extrajudicial em cartório é uma excelente alternativa. Se você é advogado e está procurando uma forma eficaz de gerir seu escritório, venha conhecer o GOJUR!

Compartilhe este conteúdo

Deixe um comentário