Descubra mais sobre embargos à execução no CPC

Pessoas com dívidas e que foram alvos de uma execução forçada para seu pagamento, podem buscar recursos na justiça para reavaliar a ação. Quer conhecer detalhes desse assunto? Descubra mais sobre embargos à execução no CPC!

embargos à execução no CPC, Descubra mais sobre embargos à execução no CPC

O que são embargos à execução?

Para entender esse conceito, é preciso saber que a sua aplicação ocorre em situações no qual há uma dívida cobrada de forma forçada da parte devedora. Assim, os embargos à execução são as ações que podem ser tomadas pelo devedor como forma de contestar esse pagamento.

Esse tipo de embargo funciona como um recurso e tem natureza autônoma, uma vez que o pagante busca uma defesa jurídica para o seu caso. Quando o autor dos embargos inicia a solicitação, no processo ele torna-se embargante , enquanto a outra parte (réu) torna-se embargado.

Prazos

Segundo o artigo 231 do Novo CPC, os embargos podem ser atendidos em até 15 dias. Porém, para a contagem do prazo é preciso analisar cada caso, uma vez que:

  • o prazo não é contado em dobro em caso de pluralidade de partes com procuradores diferentes;
  • em caso de intempestividade, o recurso não é admitido.

Impugnação

A impugnação é a forma como o embargado (executado) pode se defender juridicamente. O executado, ou seja, quem iniciou o recurso, pode contestar três principais parte da ação:

  • o título executivo em que ação forçada se baseia;
  • o valor da dívida cobrada;
  • a forma como está sendo realizado o pagamento da dívida.

Contudo, para entrar com o pedido de impugnação, é preciso que o executado:

  • tenha provas para comprovar o seu recurso;
  • argumentos suficientes para a impugnação.

É importante lembrar que a petição do embargado pode ou não ser aprovada, uma vez que é preciso checar se todos os requisitos para o pedido da ação foram cumpridos. Além disso, se o processo é criado, não há garantia de alteração da execução, visto que o embargante (a outra parte), pode confrontar as alegações. Enquanto o processo de embargo estiver em trâmite, o processo principal (da cobrança da dívida) é suspenso.

Leia mais:  Direito tributário: entenda como funciona na prática

Embargos e Novo CPC

De acordo com o Novo CPC, seguindo os artigos 319 e 320, o embargante deve fazer a solicitação do processo por meio de petição inicial, independente do seu caso:

  • pagamento por penhora;
  • caução;
  • depósito.

Vale lembrar que em casos onde o devedor tem um bem confiscado que pode ser usado para pagar a dívida, é preciso que o seu advogado peça a suspensão do pagamento. Isso ocorre, pois a suspensão do processo principal (execução forçada) não é automática.

Execução fiscal

É possível aplicar os embargos à execução fiscal, como é previsto pela Lei 6.83080 (LEF), quando há dívida ativa da fazenda pública. Uma das principais diferenças entre a cobrança da dívida na execução cível e na execução fiscal é o requisito para o embargo.

No caso cível, para realizar o embargo, não necessariamente o executado deve possuir bens, possibilidade de depósito ou caução para a quitação da dívida. Já no caso fiscal, obrigatoriamente deve haver garantias de que o embargante tem condições de realizar o pagamento.

O que é o Novo CPC?

O Novo CPC é uma versão melhorada do Código de Processo Civil, tendo sido publicado em 2015 e aplicado a partir de 2016. Essa nomenclatura deve-se à necessidade de diferenciar os códigos, uma vez que cada um deles prevê prazos, recursos e procedimentos de acordo com a sua versão.

Os embargos à execução também foram alterados, por isso é  necessário consultar o Novo CPC antes de iniciar qualquer processo.

embargos à execução no CPC, Descubra mais sobre embargos à execução no CPC

Conclusão

Realizar o pagamento de dívidas forçadamente pode trazer inúmeros transtornos ao pagante, principalmente se ele não tem condições de quitá-la. Por essa razão, a lei permite que haja um recurso para revisar a execução, e caso seja possível, alterá-la. A essa defesa é dado o nome de embargos à execução, que pode ser cível ou fiscal. Entretanto, para dar início ao processo, é necessário conhecer mais sobre os requisitos e prazos, uma vez há casos em que não é possível iniciar essa petição.

Leia mais:  Soluções de marketing e CRM: quando são importantes?

Advogado (a), já conhece o Gojur? Descubra como organizar os processos, documentos e prazos de forma simples e fácil! Entre em contato conosco.

Compartilhe este conteúdo

Deixe um comentário